Temer aposta na falta de credibilidade de Cunha para fazer delação. Por Carlos Fernandes

Parceiros
Parceiros

Finalmente escorraçado da vida pública, Eduardo Cunha, sozinho, ainda carrega um arsenal capaz de implodir o Congresso Nacional e o nosso já cambaleante sistema político.

Agora sem os benefícios do foro privilegiado, sem mais qualquer espaço para manobras, abandonado por seus antigos aliados, reduzido drasticamente o seu poder de coerção e chantagem e sob uma enxurrada de denúncias que envolvem não só ele, mas sua mulher e filha, não resta muita coisa ao baluarte da corrupção internacional senão utilizar-se do famigerado expediente da delação premiada.

Tendo comandado uma verdadeira quadrilha de bandidos mesmo antes de assumir a presidência da Câmara, é notório que Cunha tenha informações documentadas que podem puxar para o abismo que ele próprio criou, pelo menos duas centenas de políticos que até pouco tempo atrás se refestelavam ao seu lado.

É preciso lembrar que numa única delação o lobista Júlio Camargo confirmou, em depoimento ao STF, que Cunha o extorquia alegando possuir “uma bancada com mais de duzentos deputados para sustentar”. E essa é apenas uma das inúmeras delações em que é citado diretamente.

Chafurdado na lama do prostíbulo político brasileiro, não é à toa que mesmo afastado da presidência e de suas funções enquanto deputado, conseguia ser recebido, às escondidas, no palácio do Jaburu para tratar de seus assuntos com o então interino.

Michel Temer sabe do potencial explosivo de uma delação de Cunha para todos os partícipes do golpe, principalmente para a sua presidência a quem deve sobremaneira ao próprio Cunha, hoje um poço até aqui de mágoas.

E nisso Eduardo Cunha está certo. Temer de fato o abandonou à própria sorte. Trair realmente faz parte de sua natureza. A grande questão é o porquê. Temer sabe que, em princípio, basta Cunha abrir a boca para que todo o seu castelo de cartas venha abaixo.

Por outro lado, bobo um golpista não é.

Da mesma forma, Temer também sabe da ignomínia que é o próprio Eduardo Cunha. Um mitomaníaco inveterado que chegou a inventar, talvez, a maior cascata de todas já ditas naquele Parlamento: a de que não era dono dos milhões de dólares na Suíça, mas tão somente o seu “usufrutário”.

É possível que Temer e seus cupinchas apostem na gritante falta de credibilidade que uma possível delação de Cunha teria perante Moro e sua trupe. Pelo menos na parte que os tocassem. Afinal de contas, Moro é um juiz de um partido só.

Por via das dúvidas, não por acaso, está a pleno vapor a operação abafa que tenta por um fim definitivo ao circo de Curitiba, agora que sua única finalidade já foi cumprida: retirar Dilma do PT e criminalizar Lula e o PT.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here