Só vingança explica denúncia sem pé nem cabeça de Raquel Dodge contra Lula. Por Fernando Brito

Três o quê?

A denúncia apresentada agora há pouco pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, contra o ex-presidente Lula (e também contra a Senadora Gleisi Hoffmann, o ex-ministro Paulo Bernardo, Antonio Palocci e Leonardo Dall’agnol, chefe de Gabinete de Gleisi) é coisa das mais curiosas.

Seria o caso de uma “propina hibernante”, que teria sido produzida a partir de financiamentos do BNDES a obras da Odebrecht em Angola, no ano de 2010, que teria sido operacionalizada quatro anos depois, em 2014, em benefício de campanha da senadora paranaense.

Mas a história vai mais longe: seria a ampliação de uma linha de crédito existente para Angola desde 1984, ainda no Governo Geisel, quando o Brasil passou a ter uma postura ativa nos países africanos descolonizados por Portugal, no contexto da Revolução dos Cravos.

O empréstimo tinha garantias em  recusos de petróleo, do qual Angola é um dos grandes exportadores mundiais.

É, até agora, algo sem pé nem cabeça, apenas recheio da delação premiada de Marcelo Odebrecht.

Como as delações de Palocci e a anunciada colaboração do ex-diretor Renato Duque, parecem fazer parte de um esquema de reação do “lavajatismo” à situação de perda de credibilidade que tiveram com a prisão de Lula.

Não há o menor vestígio material de que estes valores tenham sido recebidos.

Muito menos há  lógica em que vantagens supostamente obtidas num ano eleitoral sejam “congeladas” para serem usadas quatro anos depois.

Mas há muito sentido em que, diante do questionamento generalizado sobre o que se está fazendo com Lula, a manipulação de acusações se intensifique, na base, pode ser que não haja “nada no Guarujá, mas em Angola, ah, lá tem”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here