Rosângela Moro vai à festa do marido com bolsa de R$ 15 mil e este não é o maior problema. Por Joaquim de Carvalho

O casal Moro, o casal Moro mais o casal Doria e destaque para a Bottega Veneta usada por Rosângela

A cada evidência de que não se comporta com o decoro exigido para a magistratura, Sergio Moro tem uma resposta pronta: “Bobagem”.

Para ele, pode ser. Se é assim, ele tem mais algumas “bobagens”que pode incluir na coleção.

O escritório de advocacia Nelson Wilians, que patrocinou sua palestra no evento do Lide de João Doria em Nova York, não tem apenas a Petrobras como cliente que coloca sua atuação como juiz em evidente situação de conflito de interesses.

O escritório de Nélson Wilians tem entre seus clientes o grupo de Joel Malucelli, que é de um amigo de Sergio Moro e é investigado na Lava Jato, embora sem o mesmo ímpeto com que se investigou, por exemplo, a Odebrecht.

Joel Malucelli não foi alvo de busca e apreensão em sua casa. A busca, no caso dele, se limitou à empresa e à residência de um executivo.

No texto publicado em agosto do ano passado, a respeito da concessão do título de cidadã paranaense à chefe do escritório do Nélson Wilians em Curitiba, Sandra Comodaro, a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná informou :

Desde a instalação no Paraná, a empresa, que conta com mais de 40 escritórios no país e um no Chile, conquistou mais de 1,1 mil clientes de áreas distintas e de portes diversos, como é o caso do grupo educacional Positivo, das automobilísticas Renault e Volkswagen, das cooperativas agropecuárias Cocamar e Coamo, das construtoras CR Almeida e J Malucelli, da Associação dos Municípios do Paraná e da panificadora Requinte.

A palestra de Moro em Nova York foi patrocinada também por outro escritório de advocacia, Braga Nascimento e Zillo, envolvido numa situação de potencial conflito de interesse com a Prefeitura de São Paulo.

Logo depois de deixar a prefeitura, o advogado Cláudio Carvalho de Lima, considerado braço-direito de Doria, se tornou sócio do escritório, que tinha conseguido na secretaria sob sua chefia, a de Prefeituras Regionais, autorização para um tal instituto “Eu Amo o Brasil” instalar o pavilhão nacional acompanhado de peças publicitárias.

Com o patrocínio dos dois escritórios, mais Cosan e a empresa de segurança Gocil, Moro fez palestra no Lide dois dias depois de ser homenageado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos com o título Personalidade do Ano, título que Doria recebeu em 2017.

Ao fazer o discurso de homenagem, chamou Doria pelo pré-nome, Sergio, demonstrando a intimidade que tem com o juiz.

Durante a festa, ele e a esposa tiraram foto com Moro e a esposa, e esta foto, que já poderia constranger o juiz se ele não a considerasse “bobagem”, tem mais um ingrediente escandaloso.

Ao aproximar a foto, vê-se que Rosângela Moro está usando uma bolsa da grife Bottega Veneta, que custa R$ 15 mil.

Mesmo para um juiz que ganha acima do teto constitucional, é um acessório caro. O que Rosângela guardaria dentro de uma bolsa de R$ 15 mil?

É uma clássica demonstração de deslumbramento e/ou alpinismo social. Ela pode dizer que é falsa: nesse caso, vergonha ainda maior: pirataria e alpinismo social.

Moro provavelmente não liga para situações como estas, que constrangeriam muitos magistrados. Se ligasse, não seria tão próximo de milionários com interesses no governo.

O advogado Nélson Wilian é de Cianorte, uma cidade pequena, a cerca de 60 quilômetros de Maringá, a cidade de Moro. É dois anos mais velho que o juiz.

Entre 2014 e 2016, Enquanto da Vara de Moro saíam os vazamentos que desestabilizam o governo de Dilma, Nélson Wilian patrocinava ações públicas contra a então presidente.

É dele o avião que levou o ator Alexandre Frota para Brasília entregar a Eduardo Cunha um pedido para abertura de impeachment — o então presidente da Câmara recebeu, mas colocou para votar outro, o de Janaína Paschoal.

A aeronave de Wilian levou Frota a Brasília no dia da votação do impeachment, em 18 de abril de 2016, onde o ator liderou manifestações contra a presidente da república.

Com Michel Temer no poder, Wilian ganhou contas em várias área de influência do governo federal, incluindo um processo de arbitragem no porto de Santos, que envolve o grupo Libra, agora investigado.

Wilian tem também o Banco do Brasil como cliente e, logo depois que Temer assumiu, assinou contrato com a GEAP, o serviço de auto-gestão de saúde que atende aos funcionários públicos federais.

O contrato de Wilian com a GEAP, no valor de 100 milhões de reais, é tratado como escândalo por alguns dos responsáveis pelo serviço, dirigido por um colegiado integrado por representantes dos servidores e dos ministros.

Quem colocou Wilian lá foi o ministro Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, braço-direito de Temer.

Wilian não esconde a proximidade com Moro.

No seu facebook, destacou a presença do juiz na festa de comemoração pelo título de Cidadã Honorária do Paraná concedido a  Sandra Comodaro, sócia-diretora do escritório.

“Contou com a presença ilustre de autoridades e expoentes do cenário nacional, como o Juiz Sergio Moro”, informa a nota do Facebook. Veja o vídeo abaixo, no estilo Amaury Júnior. Moro divide a festa com o governador Beto Richa, do PSDB.

Wilian é muito próximo do PSDB. Em 2015, recebeu o título de cidadão paulista da Câmara Municipal de São Paulo, iniciativa dos vereadores tucanos Eduardo Tuma e Salomão Pereira.

Moro, certamente, considera tudo isso bobagens. Outros, entretanto, podem entendem que ele tem feito bobagem demais.

Mas quem vai detê-lo?

.x.x.x.

PS: Nélson Wilian é também advogado de João Doria.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here