Por que o discurso de Oprah no Globo de Ouro é de candidata à presidência dos EUA

Ela

O jornalista Anthony Zurcher, da BBC, explicou por que o discurso de Oprah Winfrey na cerimônia de entrega do Globo de Ouro está sendo considerado de candidata.

Toque pessoal

“Em 1964, eu era uma pequena garota sentada no chão de linóleo da casa da minha mãe em Milwaukee, observando Anne Bancroft apresentar o Oscar de melhor ator. Ela abriu o envelope e disse cinco palavras que literalmente fizeram história: ‘O vencedor é Sidney Poitier.’”

A autenticidade tornou-se uma palavra-chave na política americana desde que Donald Trump detonou um campo de políticos polidos a caminho da Casa Branca em 2016.

Winfrey abriu seu discurso no domingo à noite, lembrando como era quando era criança, lembrando da primeira pessoa negra ganhar um Oscar importante.

A narrativa das “raízes humildes” é um elemento básico para muitos políticos bem sucedidos, uma maneira de cativar os americanos comuns, apesar da ascensão à elite da nação.

Ao lembrar os telespectadores de sua infância em “pisos de linóleo”, Winfrey marca um ponto.

Declaração de propósitos

“O que eu sei com certeza é que falar sua verdade é a ferramenta mais poderosa que todos nós temos”.

A verdade contra o poder não é exatamente um novo tema na política dos EUA, mas é eficaz.

Trump fez campanha em seu estilo próprio. Ele era o concorrente diferente contra políticos de carreira que, como ele disse em seu discurso inaugural, “colheram as recompensas do governo enquanto as pessoas pagaram os custos”.

Winfrey ampliou sua mensagem para incluir mulheres de todos os setores da vida – domésticas, agricultoras, trabalhadoras de fábricas, médicas e soldadas – que “sofreram anos de abuso e assédio”.

Se Winfrey for disputar, seus adversários tentariam caracterizá-la como uma insider de Hollywood, fora de contato com o mundo real.

Passagens como essa mostram como ela pode tentar se posicionar como a voz de um movimento.

Anedota convincente

“Recy Taylor morreu 10 dias atrás, em seu aniversário de 98 anos. Ela viveu, como todos nós vivemos, muitos anos em uma cultura tomada por homens brutalmente poderosos. E, por muito tempo, as mulheres não foram ouvidas (…).  Mas esse tempo acabou.”

No meio do discurso, Winfrey estreitou o foco, relatando a história de Recy Taylor, que foi seqüestrada e estuprada por seis homens brancos em 1944. O caso de Taylor foi encampado pela NAACP e por Rosa Parks, 11 anos antes de se tornar famosa por seu protesto no ônibus em Montgomery.

Ronald Reagan, em seus discursos do Estado da União na década de 1980, inovou com o uso de heróis pessoais para ilustrar seus pontos – uma técnica oratória que agora é um elemento básico de discursos políticos.

(…)

Chamado à ação

“Quero que todas as garotas saibam aqui e agora que um novo dia está no horizonte. E quando esse novo dia finalmente chegar, será por causa de muitas mulheres magníficas, muitas das quais estão aqui nesta sala esta noite, e alguns homens fenomenais, lutando para garantir que eles se tornem os líderes que nos levarão ao tempo em que ninguém nunca mais tenha que dizer ‘Eu também’ novamente”.

(…) Toda campanha precisa de um slogan atraente, e “o novo dia de Winfrey está no horizonte” cumpre o requisito. O mesmo acontece com “para uma manhã mais brilhante”, que ela emitiu uma frase antes.

Observe o discurso novamente, desta vez com o som desligado. Observe os rostos das celebridades na plateia, pendurados nas palavras de Winfrey. Ela fez uma conexão com eles – e, provavelmente, com muitos espectadores em casa.

(…)

Se Winfrey quiser entrar no jogo, a porta está aberta.

Seu discurso não foi um acidente. Era uma declaração nacional de uma mulher poderosa que – com sua equipe – conhece um pouco sobre os gostos e o temperamento do público americano.

Winfrey tem o reconhecimento do nome, o dinheiro e, se o discurso de domingo for qualquer indicação, uma mensagem a ser espalhada.

Alex Burns, do New York Times, pergunta quem, entre os democratas, poderia oferecer-lhe resistência na luta pela nomeação do partido.

A lista é certamente curta. Bernie Sanders? Joe Biden? Talvez a senadora Elizabeth Warren? (…)

Se o Trump realmente redefiniu a atual presidência dos EUA – o que significa ser presidente e o que é preciso para chegar à Casa Branca -, a noite de domingo pode ter sido o chute inicial de uma campanha extraordinária rumo em 2020.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here