Padilha, que espalhou fake news em série, denunciou em artigo o perigo da “proliferação de informações desconexas”

Padilha e Selton Mello no lançamento de “O Mecanismo”

José Padilha escancarou a canalhice empenhada na série “O Mecanismo”, da Netflix, ao tentar justificar sua falsificação histórica.

Em entrevista à Folha, agrediu Dilma de maneira absolutamente destemperada, como um delinquente pego em flagrante.

Dilma apontou, num artigo, que Padilha distorceu fatos e cometeu “mais do que desonestidade intelectual”.

Ela lembrou que as frases de Jucá sobre “estancar a sangria” e “um grande acordo nacional” são atribuídas ao personagem que encarna Lula, o Higino.

Padilha saiu-se com a falácia de que fez uma “obra-comentário” (!?!).

“Na abertura de cada capítulo está escrito que os fatos estão dramatizados, se a Dilma soubesse ler, não estaríamos com esse problema”, afirma.

Por que o golpe baixo?

Porque Padilha não tem defesa.

Se uma ficção se declara “baseada em fatos reais”, ela deve um compromisso com a verdade. No mínimo, um esforço dos realizadores nesse sentido.

Se fosse dirigido por Padilha, o filme “O Destino de Uma Nação” poderia mostrar Himmler, por exemplo, proferindo o discurso de Churchill de união nacional (“Nós vamos lutar nas praias, nos pontos de desembarque, nos campos e nas ruas” etc).

O roterista Anthony McCarten falou de sua pesquisa.

“Não desfigurei ninguém, nem distorci nada. Mas há buracos que precisam ser preenchidos. Esses precisam ser responsavelmente preenchidos”, frisou.

Padilha e sua equipe preencheram o script com mentiras, de maneira irresponsável e enviesada, num momento especialmente delicado da vida nacional.

Deu mais munição a uma legião de imbecis funcionais.

Em julho do ano passado — ou seja, enquanto trabalhava no seriado —, JP dedicou sua coluna no Globo para falar sobre fake news.

Professoral, alerta o leitor que a disseminação de notícias falsas “não é obra exclusiva de gente marginalizada ou de organizações clandestinas”.

“A verdade é que muitas vezes as fake news são reproduzidas e utilizadas por organizações e pessoas proeminentes de forma tão rápida que muitas vezes parece estar combinado com o veículo que criou a mentira… Em um ambiente assim, em quem podemos acreditar?”, prossegue.

“A proliferação insana de informações desconexas retira do cidadão comum a capacidade de saber o que é o caso. Parafraseando Marshall Berman, a proliferação das notícias falsas faz com que a realidade se desmanche no ar.

Isto, evidentemente, é um problema. Afinal, a existência de algum tipo de consenso sobre a realidade é fundamental para a vida em sociedade. Por exemplo: a Justiça só pode ser feita depois de estabelecidos os fatos”.

Qual é o verdadeiro Padilha?

Este ou o que advoga a licença para ludibriar o público em nome de uma picaretagem que ele chama de “obra-comentário”?

Provavelmente, ambos são dissimulados.

Como apontou Dilma, é bem pior que desonestidade intelectual.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here