O plano B de Lula é Lula. Por Otávio Antunes

Lula recebido em Cruz das Almas, Bahia

POR OTÁVIO ANTUNES.
O debate de setores da esquerda e da imprensa é sobre o plano B de Lula. Ele cita Haddad e vira manchete. Fala em Pimentel e Jaques Wagner e as pessoas cravam o fim da dúvida. Pisca pra Gleisi Hoffman e Lindbergh Farias e a militância sorri.

A caravana não é acompanhada por Graziano ou Kotscho. Marco Aurélio Garcia já morreu e Frei Beto cumpre outras tarefas. Os companheiros de caminhada de Lula durante a caravana são mais jovens e influenciam menos o ex presidente. Muito menos.

É ele quem carrega nos ombros a responsabilidade de mexer no tabuleiro e pensar a próxima jogada. Por mais que ouça o jovem time que o cerca, sabe que nunca sua capacidade de leitura política foi tão importante.

Lula colocou em prática o plano B. E ele não é uma pessoa. É uma ideia. Uma ideia de país, para ser mais exato. Galvanizado no discurso de que é possível voltar a ser feliz. Lula abraça o povo em busca de uma nova história.

Sabe que seu legado lhe garante uma boa partida, mas a chegada depende da sua capacidade de seduzir novamente. Para isso, Lula tem ouvido muito mais que falado na caravana.

Resta saber a síntese que fará de tudo isso encantará a esquerda e gente do povo que já não tem o mesmo animo de outros tempos.

Lula, o arrasta quarteirão do Nordeste, ressurge como a Fênix. Como em um filme clichê de boxe, pedindo por mais um round.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here