O capitalismo tem que ser protegido dos capitalistas

Os bônus bizarros de executivos que levaram seus bancos ao abismo.

Clap, clap, clap.

Palmas de pé para os holandeses.

Numa bizarrice financeira e corporativa típica de nossos dias, o presidente do banco holandês ING, Jan Hommen, estava prestes a se auto-outorgar um bônus de 1 milhão de euros pelo desempenho em 2011.

Nada a objetar, em tese, não fosse o fato de que o ING só não quebrou, em 2008, porque foi socorrido com dinheiro – bilhões de euros – do contribuinte holandês.

Vazou, e os holandeses iniciaram um protesto vitorioso que levou Hommen a renunciar ao bônus e se desculpar por não haver – hahaha – percebido como a esdrúxula premiação iria ofender a sociedade.

Pelas redes sociais, correntistas do ING ameaçaram encerrar a conta. O Parlamento também agiu: uma nova lei taxa em 100% bônus para executivos de bancos socorridos com recursos públicos até que a dívida seja quitada.

Um caso parecido ocorreu no Reino Unido quando se soube que o presidente do RBS – que só não morreu porque o governo colocou 20 bilhões de libras nele – ia receber um bônus milionário. O Parlamento inglês não reagiu com a presteza e o vigor observados na Holanda, e nem os correntistas do RBS se mobilizaram. Ainda assim, o mal-estar provocado pela notícia acabou levando o executivo, depois de dias de relutância e silêncio, a abdicar ao prêmio absurdo e imerecido. (Não apenas a dívida do RBS não foi paga como, no ano passado, as ações do banco caíram pela metade.)

A ganância do ser humano o leva a fazer coisas, no escuro, que sob a luz causam repulsa, como no caso dos bônus de bancos quebrados. Por isso é preciso vigilância sobre a Mão Invisível, como Adam Smith chamama o mercado.

Se houvesse uma moral da história aqui, seria a seguinte: o capitalismo tem que ser defendido dos capitalistas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here