Intervenção no RJ: dados oficiais mostram que Temer e Globo mentiram sobre “caos” no Carnaval. Por Kiko Nogueira

Ele (Foto: Alan Santos/PR)

Para justificar a presepada da intervenção no Rio de Janeiro, Michel Temer declarou que “as cenas do Carnaval revelaram uma agressividade muito grande e uma desorganização social e até moral muito acentuada. As pessoas lá não têm mais limites”.

De acordo com o Jornal Nacional, as imagens (do próprio JN, acrescente-se) de “arrastões e saques, a ausência do prefeito Marcelo Crivella nesse período e a declaração do governador de que havia perdido o controle da situação foram determinantes para o Palácio do Planalto concluir que era preciso intervir”.

É mentira. Manipulação grosseira.

Na sexta, dia 16, o Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou dados sobre a criminalidade no estado durante o feriado.

Roubos a pedestres tiveram o menor índice em três anos. Foram 1062 casos em 2018, contra 1485 em 2015, 1739 em 2016 e 1178 em 2017.

Também houve redução no furto a pedestres, quatro vezes menos do que em 2015. Em 2018 foram 584, contra 2144 de três anos atrás.

Lesão corporal dolosa foi de 1808 para 1297.

O furto de celulares — que foi de 711, 644, 506, respectivamente nos últimos anos — chegou a 394.

No total de ocorrências: 9062 contra 5865.

Em dezembro de 2017 foram registradas 66 vítimas a menos de letalidade violenta (soma de homicídio doloso, homicídio decorrente de oposição à intervenção policial, latrocínio e lesão corporal seguida de morte), uma queda de 10,9% em relação ao mesmo mês de 2016.

Ao longo dos dias da chamada folia de momo, a Globo mostrou cenas de assaltos, assassinatos e tragédias diversas de maneira ininterrupta.

A colunista Hildegard Angel lembra que a emissora “fomentou, através de seus veículos, esse clima de horror e insegurança na população do Rio de Janeiro, onde não parece que houve carnaval. Só crimes.”

O general Walter Braga Netto, nomeado interventor, afirmou que a situação da violência “não está tão ruim”.

Em entrevista coletiva, ao lado dos ministros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, e da Defesa, Raul Jungmann, ele disse que a impressão de descontrole era resultado de “muita mídia”.

Batata.

O Rio de Janeiro foi humilhado. O Exército sairá desmoralizado da aventura.

Os maiores responsáveis pela palhaçada trágica — Globo e Temer — lavarão as mãos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here