A incrível história do prefeito Doria, que largou tudo para viajar e virar YouTuber. Por Almir Felitte

Por Almir Felitte, advogado, no site Justificando.

Prefeito João Doria realiza viagem para buscar investidores para o programa de desestatização e para conhecer novas tecnologias Foto: SECOM

Passado quase um ano da posse como Prefeito em São Paulo, João Doria viu sua popularidade e sua fama de gestor escoar pelo ralo. O empresário/político, que chegou a ser cogitado como pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto, parece não ter resistido aos efeitos do tempo que, cedo ou tarde, cobraria resultados onde só se via o mais puro marketing.

Apesar disso, uma coisa devemos admitir:

“Por um momento, pouco antes de eleito, Doria conseguiu enganar uma cidade inteira”.

Se parte da esquerda errou ao pensar que o discurso de “João Trabalhador” era algo que não cabia mais em pleno século 21, parte da direita enganou-se ao pensar que João fosse, de fato, trabalhador.

A esse marketing afinado, Doria somou, ainda, um forte discurso antipetista e antipolítico, tentando sempre passar a ideia de que representava algo de novo no cenário político nacional, algo diferente de tudo aquilo já teríamos visto na política tradicional.

Porém, logo no primeiro semestre de seu mandato, Doria se viu envolvido em um velho problema da capital. E a solução que o “gestor” pensou para a problemática, não poderia ser mais velha. O Prefeito declarara guerra à “Cracolândia”, colocando um fim às políticas de redução de danos implantadas por Haddad na região. Com o uso de forças policiais completamente desnecessárias e desproporcionais, a Rua Helvétia protagonizou cenas de batalha campal entre moradores de rua e policiais. O Prefeito havia decretado guerra ao povo paulistano.

Entre aplausos de quem apoiava Doria apenas para não perder o rebolado e grande recriminação por parte de setores da sociedade civil e até mesmo da imprensa, o Prefeito seguia desastrosamente com seu plano. Até prédio com gente dentro chegou a derrubar, em uma ação que levaria à renúncia da Secretária de Direitos Humanos, que não concordava com as ações da Prefeitura.

É claro que nada disso transparecia nas redes sociais do Prefeito, que já declarava apressadamente que a “Cracolândia” havia acabado. Porém, a única coisa que Doria conseguiu fazer foi espalhar os moradores de rua pelo centro de São Paulo, deixando-os ainda mais sem apoio público.

Mas isso não impede que o gestor siga com seu discurso, já que, na semana, passada, o mesmo fez publicações mostrando uma Rua Helvétia vazia, o que revoltou internautas que prontamente responderam com fotos que mostram as vizinhas Estação Júlio Prestes e Praça Princesa Isabel abarrotadas de moradores de rua sem qualquer tipo de apoio.

Mas se a ação na Cracolândia foi a mais atrapalhada e simbólica de um Prefeito que se apoia mais em marketing do que em resultados, ela com certeza não foi a única.

Doria, por exemplo, baseou boa parte de sua campanha em políticas que envolviam parcerias com a iniciativa privada. O gestor prometia aguçar a benevolência dos grandes empresários, que, de bom grado, fariam grandes doações à cidade. E, claro, não faltavam vídeos nas redes sociais do Prefeito que demonstrassem a “caridade”.

Toda essa benevolência, porém, parece ter ficado no papel. Segundo um estudo realizado pelo Tribunal de Contas Municipal, dos R$ 666 milhões prometidos, apenas 8,8% foram concretizados. Além disso, as que foram realizadas despertaram uma desconfiança geral no paulistano. Segundo o Datafolha, 45% da população da capital achava as doações ‘nada transparentes’.

Não era sem motivo, já que algumas transações pareceram beneficiar apenas as empresas doadoras. Como foi o caso das farmacêuticas que doaram medicamentos perto da data de vencimento, por exemplo, livrando-se, assim, do custo do descarte, que acabou ficando nas mãos da cidade. Assim, o descarte de medicamentos realizado pela Prefeitura acabou sendo cinco vezes maior do que o da gestão anterior. Dos remédios doados, 35% acabaram na lata do lixo.

Houve, também, o caso da Demax, que doou R$ 16,7 mil ao programa Cidade Linda e, pouco tempo depois, conseguiu assinar um contrato de R$ 880 mil sem licitação com a Prefeitura para fazer a manutenção do Ibirapuera. A desconfiança do paulistano tinha seus fundamentos.

Aliás, contratar serviços sem licitação tem sido uma praxe da gestão Doria. O mesmo já se repetiu com serviços de iluminação, que se tornaram ainda mais polêmicos por falta de acesso às informações pelo público acerca dos valores envolvidos, além dos serviços de manutenção de semáforo, que chegaram a ficar sem contrato por 6 meses, gerando um surto de semáforos apagados pela cidade.

Se a falta de licitações foi recorrente, não poderia ser diferente com a falta de acesso a informações públicas, uma prática a qual os paulistas já estão acostumados, dada as reiteradas vezes que o Governo do Estado de São Paulo mostrou desrespeito à Lei de Acesso à Informação.

O embate entre a imprensa e a gestão Doria envolvendo as informações acerca do Programa Corujão da Saúde demonstrou bem isso. Enquanto o Prefeito inundava suas redes sociais com vídeos que expunham os supostos sucessos do programa, sua administração negava os dados reais à imprensa. Doria chegou, inclusive, a anunciar que a fila de exames estaria, enfim, zerada na capital.

Quando, após muita pressão, a imprensa conseguiu acesso às informações, logo descobriu-se que não era bem como o Prefeito afirmava. Houve, sim, um aumento nos atendimentos, e impactos positivos do programa. Mas os resultados divulgados antes eram, de certa forma, inchados pela Prefeitura. Além disso, propagandeado como um programa que levaria os pobres a “hospitais de rico”, o grosso dos atendimentos (cerca de 80%) acabou ficando com os estabelecimentos públicos mesmo.

Este, aliás, parece ter sido o grande problema de Doria nesse um ano de gestão da cidade. A entrega de resultados. O entusiasmo do paulistano que apoiou o empresário foi diminuindo a medida que o mesmo se envolvia em uma nova polêmica ou saía as ruas fantasiado sem, contudo, mostrar bons resultados de gestão.

E não faltaram polêmicas vazias. Da cruzada contra os grafites à luta contra as ciclovias, Doria foi se perdendo em questões pequenas demais para uma cidade de 12 milhões de habitantes, enquanto descuidava de coisas simples como a zeladoria da cidade, algo que, em sua campanha, parecia ser seu forte.

Os pedidos de cidadãos para a Prefeitura tapar buracos, por exemplo, aumentaram em quase 40% se comparados os primeiros semestres de 2016 e 2017. Apesar disso, Doria chegou a suspender ou reduzir o serviço em 10 regionais da cidade, quase todas na Zona Norte e na Zona Leste, em bairros como Tucuruvi, Tremembé, Itaquera e Guainases.

“Também houve uma redução na varrição e no recolhimento de lixo das ruas de São Paulo, muito embora não faltem vídeos na internet do Prefeito vestido de gari”.

Comparados o primeiro semestre de 2016 e 2017, a quantidade de lixo retirada das ruas recuou em 6% na cidade que, durante sua campanha, Doria chamou de ‘lixo vivo’.

Com os bairros cada vez mais tomados por buracos, lixo e mato (contrastando com alguns cartões postais da cidade), não havia mais marketing que pudesse salvar a reputação de gestor de Doria. E para sepultar essa imagem de vez, veio a revolta do paulistano com as frequentes viagens do Prefeito, que não foram poupadas nem pela grande mídia.

Já em agosto do ano passado, a imprensa dava conta de que, em 8 meses de gestão, Doria teria ficado fora de São Paulo por 47 dias, uma média de uma saída a cada cinco dias. Em 11 meses, foram 43 viagens. Quando não era para receber algum título de cidadão em alguma cidade pelo Brasil, Doria viajava com o intuito de vender boa parte do patrimônio público paulistano, inclusive para estrangeiros, o que causou ainda mais irritação no povo da cidade.

“O que ficou foi a imagem de um Prefeito que abandonou a cidade para viajar pelo mundo em busca de apoio aos seus interesses privados”.

Todas essas trapalhadas e desrespeitos logo se traduziram em números. Segundo o Datafolha, Doria encerrou o seu primeiro ano de gestão com 39% de rejeição a sua gestão pelos paulistanos, contra apenas 29% de aprovação, contrastando bastante com o início de seu mandato. O índice é parecido com o primeiro do ano de Haddad, com a diferença de que o petista teve que enfrentar a grande onda antipolítica dos protestos nacionais de 2013. Para 70% dos paulistanos, Doria fez menos do que se esperava pela cidade.

Com isso, a possível candidatura de Doria à Presidência do país parece ter derretido antes mesmo de existir. Nem mesmo a sua constante postura de “ódio antipetista e antiesquerdista” parece funcionar para atrair apoiadores. Em São Paulo, ficou ainda o sentimento de que o Governador Geraldo Alckmin teria posto o seu pupilo “em seu devido lugar”, já que a imprensa, que sempre foi branda com o Governador, não poupou esforços em arranhar a imagem de Doria.

Enquanto assiste a esse embate no ninho tucano, porém, o paulistano segue com os velhos problemas de sempre, causados pela velha política de sempre, que segue privilegiando a velha elite de sempre. Nada de novo em São Paulo.

Almir Felitte é advogado, graduado pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here