Imunidade parlamentar e a ignorância e autoritarismo de agentes de Estado. Por Paulo Pimenta

POR PAULO PIMENTA, deputado federal do PT

Sessão do STF que vai discutir e votar o HC do ex-presidente Lula. Foto Lula Marques/Liderança do PT na câmara

O Ato Institucional de nº 1, de trágica lembrança, completou em abril passado 54 anos da sua edição. Foi o primeiro ato institucional do regime militar, o qual, entre outras violências, acabou com a imunidade parlamentar. Recordar e restabelecer a verdade histórica são poderosos antídotos contra o retorno da ideologia autoritária, dos regimes da força e do Estado policial. Embora passados 33 anos do fim da ditadura militar, infelizmente uma nova onda autoritária ronda o Brasil.

Desta vez, setores do Judiciário e do Ministério Público, a pretexto de “combater” a corrupção, têm atuado incessantemente para desmontar o aparato de direitos e garantias individuais previstos na Constituição da República de 1988 bem como perseguir partidos políticos e movimentos sociais.

A escalada autoritária se revela, assim, no protagonismo político assumido por associações representativas do Judiciário e Ministério Público; na edição de decisões arbitrárias de seus membros; na instauração de processos à míngua do respeito mínimo a regras processuais de competência e do juiz natural; no abuso de prisões preventivas; no desrespeito à presunção de inocência e na transformação de servidores públicos em celebridades momentâneas.
Por outro lado, grassam hoje no País a injustiça social, o desmonte da CLT, o congelamento dos gastos sociais por vinte anos e a venda do patrimônio público a preços irrisórios, mas esses graves problemas não despertam o mínimo interesse por parte de juízes e procuradores celebridades, nem mesmo de suas entidades corporativas.

Sequer desperta preocupação desses atores políticos do nosso tempo, a imoral, acintosa e ilegal situação de receberem, na maior parte deles, ganhos acima do teto estabelecido pela Constituição, o inexplicável auxílio moradia (em alguns casos duplicados) e férias de 60 dias. Tampouco ficam incomodado com o fato de que a mais grave pena aplicada aos próprios membros de suas categorias seja a aposentadoria integral.

A vergonha só aumenta quando se viam, pelos corredores do Poder Legislativo, essas mesmas corporações fazendo lobby poderoso contra o projeto de lei do abuso de autoridade. Reflexo imediato da tentativa de exercício do poder absoluto, sem quaisquer limites.

O completo alheamento social da realidade brasileira e a hipocrisia dos discursos desses atores impressionam e chocam. É papel não só de Poder Legislativo, mas de todo cidadão e cidadã denunciar esses imorais benefícios, bem como o autoritarismo judicial.

Toda decisão ilegal deve ser criticada. Todo juiz, representante do MP ou das polícias que cometer abuso de autoridade ou exercer arbitrariamente sua função pública, deve receber a imediata e contundente crítica de repúdio e a devida sanção administrativa.

Tenho denunciado, seja da tribuna, seja ao CNMP e CNJ todo e qualquer ato arbitrário praticado a pretexto do que quer seja. E continuarei a fazê-lo. Não se pode tergiversar com o autoritarismo.

O Ato Institucional nº 1, entre outras violências, acabou com a imunidade parlamentar. E havia uma razão óbvia em calar os mandatários do voto popular baseada no receio de que os atos de violência e supressão de direitos fossem denunciados e tornados públicos. A imunidade, portanto, é um contrapeso e uma proteção de todos contra o exercício arbitrário do poder.
Esses dias, a atuação do combativo advogado e deputado Wadih Damous (PT-RJ) despertou a ira de associações por ter criticado uma decisão acintosamente ilegal e arbitrária de uma juíza que desrespeitou suas prerrogativas profissionais. Ao menos, a entidade corporativa disse conhecer e respeitar a existência da imunidade parlamentar.

Pode ser um bom começo para assimilação de todo o conteúdo da Constituição. Se folhearem mais um pouco o texto, encontrarão a garantia expressa da presunção de inocência, o direito à ampla defesa e ao devido processo legal, a erradicação da pobreza e o respeito à dignidade da pessoa humana como norte fundamental da nossa República.

PAULO PIMENTA (PT-RS), líder do PT na Câmara, no quarto mandato como deputado federal, é jornalista e técnico agrícola formado pela UFSM. Ele iniciou sua trajetória política no Movimento Estudantil, na luta pela redemocratização do País. Em 1985, presidiu o DCE da UFSM, e, no ano seguinte, tornou-se vice-presidente da União Estadual de Estudantes do Rio Grande do Sul – UEE/RS. No Governo Dilma Rousseff, entre 2012 e 2013, presidiu a Comissão Mista de Orçamento, a mais importante do Congresso Nacional. Na Câmara, entre outras tarefas, presidiu a CPI do Tráfico de Armas e a Comissão de Direitos Humanos e Minorias. Em recente pesquisa realizada no Congresso, Pimenta obteve nota máxima entre os parlamentares que melhor utilizam as redes sociais para prestar de contas do seu mandato à sociedade brasileira.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here