Guilherme Boulos sempre foi uma voz lúcida e sabe fazer política a partir de baixo. Por Luis Felipe Miguel

Publicado originalmente no perfil do Facebook do autor

POR LUIS FELIPE MIGUEL, professor da UnB

Guilherme Boulos. Foto: Divulgação/Twitter

Tenho dito sempre que as eleições de outubro não são a saída para a crise ou o caminho para a reversão do golpe. As classes dominantes brasileiras têm deixado claro que não vão se deter por algo tão pequeno quanto a expressão de uma vontade popular por meio do voto. Nenhuma mudança virá da decisão de um presidente eleito, por melhor que seja ele, se não houver capacidade de sustentá-la com mobilização social. A luta política tem que ser pensada para além das eleições ou do parlamento.

Isso não quer dizer que as eleições sejam irrelevantes.

O pleito marcado para outubro, caso ocorra conforme está sendo desenhado, possuirá baixíssima legitimidade. Uma eleição em que o candidato favorito é arbitrariamente excluído da disputa não é capaz de gerar um governante legítimo. Nem por isso, boicotar as eleições é uma opção. Se tivéssemos força para organizar um boicote significativo, certamente não estaríamos na situação em que nos encontramos. É melhor aproveitar a oportunidade que a disputa eleitoral dá para apresentar narrativas diferentes, gerar educação política, mobilizar e apontar caminhos para a organização popular.

O melhor candidato para cumprir este papel, no momento, é Guilherme Boulos.

A luta pela liberdade do presidente Lula e por seu direito de se candidatar é prioridade para todos os democratas. Trata-se de combater o Estado de exceção e a criminalização da esquerda. Isso não obriga, no entanto, a aderir ao projeto político que Lula encarna. A experiência do PT no governo teve méritos inegáveis: é preciso muita arrogância ou insensibilidade para não ver a importância da retirada de milhões de pessoas da miséria. Mas também teve limites profundos, por sua recusa a qualquer enfrentamento com os dominantes. Se a prudência podia justificar esse comportamento no início, cabe perguntar por que não se trabalhou no sentido de gerar as condições de dar mais passos adiante.

O golpe de 2016 mostrou como a desmobilização, que foi parte essencial do pacto lulista, cobra um preço alto quando a direita endurece suas posições. Mostrou que a ausência de enfrentamento não supera as contradições, apenas adia a hora em que elas emergem. E mostrou também que, mesmo que se quisesse reeditar o pacto, as condições para tal estão esgotadas. É preciso de um projeto novo para a esquerda brasileira.

Guilherme Boulos não é a encarnação deste projeto, até porque o projeto não está pronto. Mas encarna a disposição de construí-lo, de forma aberta e em diálogo com os movimentos sociais. Sempre foi uma voz lúcida no debate político no Brasil, tem firmeza de posições sem cair no dogmatismo e sabe fazer política a partir de baixo, sem reduzi-la ao jogo eleitoral. Sua companheira de chapa, Sônia Guajajara, também com trajetória de liderança popular, acrescenta a preocupação central com o meio ambiente, item em que o registro da experiência petista é particularmente fraco, numa chave claramente (para não se confundir com alguma Marina Silva) ecossocialista.

Para além dos votos que obtenham e do fortalecimento da bancada do PSOL no Congresso, é importante que as vozes de Boulos e Guajajara se façam ouvir na campanha eleitoral, qualificando o debate e contribuindo para uma luta que, eles sabem, vai muito além de outubro.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here