E Luciana Genro volta à parábola do sujo versus o mal lavado

LG
LG

Luciana Genro não poderia deixar passar esta oportunidade.

E não deixou.

“O acordo do PT com o PSDB para não convocar políticos para depor na CPI da Petrobras é a prova de que na campanha era o sujo falando do mal lavado!”

Esta frase que mistura o sujo e o mal lavado foi, lembremos, um dos grandes momentos da campanha.

Com ela, Luciana Genro desmontou o discurso pseudomoralista e cínico de Aécio em nome da “decência”.

O tuíte dela já tinha sido replicado 393 vezes no momento em que escrevo.

A importância real do comentário de Luciana Genro está no seguinte: o PSOL vai ser uma oposição combativa ao PT pela esquerda.

Isso vai teoricamente obrigar Dilma a prestar mais atenção nas reivindicações da esquerda – e não apenas nas dos conservadores que compõem a base de seu governo.

O PSOL saiu das eleições fortalecido.

Teve uma votação expressiva: Luciana Genro conseguiu duas vezes mais votos que seu antecessor na disputa presidencial, Plínio de Arruda Sampaio.

E Luciana Genro, com sua fala franca, honesta e consistente, foi a grande revelação da campanha, com seus cabelos encaracolados e seu charmoso sotaque gaúcho.

O acordo de que ela fala é simbólico da política nacional tal como é feita hoje.

Aécio, por exemplo.

Em sua volta ao Senado, com alarido, ele condicionou o diálogo com o governo à investigação do caso Petrobras.

Como alguém notou ao ver Aécio na TV Senado, em seu discurso ele foi entusiasmadamente aplaudido por Perrella, o dono do helicoca e seu velho amigo.

Perrella, num aparte, decretou que foram os pobres de Minas que derrotaram Aécio.

Em meio a tudo isso, nos bastidores, tucanos e petistas selavam um acordo para impedir a convocação – ou convite – de Aécio para a CPI da Petrobras.

Há suspeitas de que algum dinheiro da Petrobras possa ter acabado financiando sua campanha para o Senado em 2010.

Dilma e Lula, pelo acordo, também serão poupados pela CPI.

Os pragmáticos podem dizer, talvez até com alguma razão, que Luciana Genro está dizendo as coisas que diz porque não está no governo.

Eles poderão lembrar, no apoio de sua tese, que o PT falava coisas parecidas antes de chegar ao Planalto.

Mas não deixa de ser irônico o que está acontecendo.

Mesmo os críticos do PT reconheceram no partido um papel relevante na cena política como oposição ao governo.

O PSDB, como admitem até seus líderes, jamais conseguiu ser oposição que se levasse a sério.

Ficou um vazio, e Luciana Genro quer ocupá-lo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here