Depois do ataque ao Instituto Lula, FHC aceita conversar com FHC. Por Kiko Nogueira

Ele
Ele

 

Depois de insistentes pedidos por parte de sua assessoria, o ex-presidente FHC aceitou conversar com o ex-presidente FHC.

Nada mais natural, numa democracia, que dois políticos se encontrem para trocar ideias, especialmente neste momento delicado para o Brasil.

Um dos Fernandos deu entrevista a uma revista alemã de economia, Capital, em que isentou Dilma do escândalo de corrupção da Petrobras.

“Eu a considero uma pessoa honrada”, afirmou. “Eu não tenho nenhuma consideração por ódio na política, também não pelo ódio dentro do meu partido, [ódio] que se volta agora contra o PT.”

O outro Fernando Henrique, que participou da convenção do PSDB falando que “nunca antes neste país se errou tanto nem se roubou tanto em nome de uma causa”, estranhou o tom sóbrio.

O FHC que não deu entrevista aos alemães é um sujeito diferente. No congresso tucano, afirmou que “o país foi iludido com o sonho de grandeza, enquanto a roubalheira corria solta”.

Mais: namora o impeachment apelando para o populismo. “Não somos donos do que vai acontecer nas próximas semanas ou nos próximos meses, mas estamos prontos para assumir o que vier pela frente”, discursou para a galera.

O ex-presidente que conversou com a Capital elogiou Lula. “Ele certamente tem muitos méritos e uma história pessoal emocionante”, disse. “Um trabalhador humilde que conseguiu ser presidente da sétima maior economia do mundo.”

O outro FHC quer entender melhor que palhaçada é essa de dar mole para o Molusco. A regra agora, para ele, é agir como alguém que joga gasolina na fogueira, e não como bombeiro.

Com o ataque ao Instituto Lula, esperava-se que um dos FHCs aparecesse para acalmar os ânimos e fazer um apelo à razão em nome da ordem democrática e do estado de direito.

Um dos Fernandos fica, no íntimo, preocupado quando um boçal — ou dois, ou três — atira artefatos explosivos por aí, ex-ministros são xingados em restaurantes, um débil mental persegue a comitiva presidencial nos EUA gritando impropérios, entre tantos absurdos.

Um deles olha para Aécio Neves e Carlos Sampaio e sente vergonha.

Eles vão conversar. Uma hora os dois entram num acordo para saber quem é o verdadeiro e quem é o farsante.

Um deles sabe que está enganando, mais do que a milhares de brasileiros, a si mesmo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here