Por dentro do ultrafechado grupo BilderBerg

A organização surgiu na Guerra Fria, e ainda hoje continua ativa, manobrando longe dos holofotes
 

A líder da oposição síria Bassma Kodmani saindo de uma reunião do grupo BilderBerg

 

Grupo BilderBerg.

Já ouviu falar? Provavelmente não, pelo seu caráter semiclandestino.

Mas pode ter certeza: poucas organizações são tão influentes quanto o BilderBerg. O nome deriva do hotel em que o grupo se reuniu pela primeira vez, em meados dos anos 1950.

Basicamente, seus integrantes são representantes de grandes governos e grandes corporações. As reuniões são anuais, e o local varia. Mas o conteúdo dos encontros é sempre secreto, e agenda trata da alta política internacional.

O grupo surgiu no rastro da Guerra Fria que opôs os Estados Unidos e a falecida União Soviética, depois da capitulação alemã. Por trás da montagem da organização, havia uma preocupação com um possível surto de antiamericanismo no mundo que colocasse em risco os interesses dos Estados Unidos, primeiro, e do Ocidente, depois. Um dos fundadores do Bilderberg, e ainda hoje ativo na militância, é o banqueiro David Rockfeller.

Rockfeller fundou o movimento e ainda hoje milita

Num universo cambiante e precário, os integrantes mudam. Na última reunião, por exemplo, estava presente o executivo Marcus Agius, presidente do Barclays. Na próxima, provavelmente ele não estará: Agius – nome melhor para um banqueiro não poderia haver – renunciou a seu cargo milionário depois que veio à tona a manipulação criminosa que o Barclays promoveu em torno da Libor, a taxa de juros que, calculada em Londres, governa o mercado financeiro britânico e mundial. (O Barclays foi multado em mais de 400 milhões de dólares, e as consequências se ampliarão consideravelmente quando clientes forem à justiça para reclamar de prejuízos pela manipulação.)

Todos os candidatos à presidência dos Estados Unidos são sabatinados pelo BilderBerg. Fiquemos nos últimos. Clinton? Foi. Bush? Foi. Obama? Foi. Na última reunião Romney compareceu.

O jornalista e documentarista britânico Jon Ronson fez um primoroso trabalho de investigação sobre o BilderBerg. As reuniões, descobriu ele, costumam ser em maio ou junho. Em geral, em resorts em que os participantes possam também jogar golfe. Há um núcleo central e fixo, e é ele que define os convidados. No total, são cerca de 100 as pessoas que se reúnem.

A então promissora e apenas localmente conhecida política britânica Margaret Thatcher recebeu um convite para um encontro em meados dos anos 1970. Thatcher não falou nada no primeiro dia, e isso foi notado e cobrado. Espera-se que as pessoas falem. Avisada, Thatcher falou no segundo dia, e virou instantaneamente objeto de admiração do grupo. Logo em seguida à reunião, ela foi convidada para conversas com gente poderosa nos Estados Unidos. O resto é história.

Há um voto de silêncio no grupo. O conteúdo discutido é secreto. Todos os convidados se comprometem a não falar com jornalistas, embora magnatas e astros da mídia sejam frequentes nos encontros. Conrad  Black, dono de uma rede internacional de jornais, está costumeiramente presente — embora em suas publicações jamais tenha saído nada sobre o BilderBerg.

Um colunista do Guardian, o melhor jornal britânico, tem rastreado os passos da sociedade. Seu nome é Charles Skelton. Ele descobriu um fato interessante. O BilderBerg tem tido um papel vital (e escondido) na cobertura da crise da Síria. As fontes frequentemente citadas pela mídia ocidental como a oposição ao governo têm vínculos com o BilderBerg.

O Conselho Nacional Sírio, CNS, por exemplo. Segundo o Washington Post, o CNS é o “guarda-chuva das principais facções sediadas fora da Síria”. A BBC classifica o CNS como “a principal coalizão de oposição.”

O que é certo, segundo Skelton, é que o CNS é a organização que tem os vínculos mais fortes com o Ocidente – e com o BilderBerg.  A acadêmica Bassma Kodmani, que fica em Paris, é o porta-voz do CNS. Ela participou dos dois mais recentes encontros do CNS. Num deles, um grupo de ativistas fotografou-a num carro saindo na conferência. Kodmani tem pedido incessantemente intervenção estrangeira na Síria.

Nos últimos anos, ativistas conseguiram descobrir com antecedência o local dos encontros e fizeram protestos vistosos contra o BilderBerg pela tentativa de influenciar a política internacional sem delegação popular de qualquer caráter — e sempre na sombra.

O BilderBerg passou a ficar sob uma exposição inédita, e que pode ser fatal para uma organização que floresceu no segredo. Algumas pessoas prevêem o fim eminentendo grupo.

Se isso acontecer, não haverá muitas razões para chorar.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here