Caciques do PSDB acreditam que Doria terá candidatura cassada. Por José Cássio

Juntos e ao vivo
Juntos e ao vivo

 

A guerra de nervos no PSDB dá o tom a menos de 20 dias da convenção que vai homologar o candidato do partido nas eleições municipais de São Paulo.

O publicitário João Doria, apadrinhado do governador Geraldo Alckmin, mantém a agenda de candidato, mas crescem no partido os rumores de que o seu impedimento é favas contadas.

No Ministério Público Eleitoral (MPE) correm três representações contra Dória, sendo a principal delas encabeçada por um par de tucanos de rica plumagem: o ex-governador Alberto Goldman e o senador José Aníbal.

A representação aponta irregularidades na campanha de Doria nas prévias.

Ele é acusado de abuso de poder econômico – por usar dinheiro do próprio bolso, e não recursos do partido, para a campanha.

Também pesa contra o publicitário a acusação de propaganda irregular, transporte de eleitores e infração à Lei Cidade Limpa – colocou cavaletes com foto, nome e número da chapa nas proximidades dos 58 locais de votação.

Doria nega as acusações.

Não é o que pensa o senador José Aníbal, que anda feliz nos últimos dias – vende a expectativa de que, caso as acusações se confirmem, estará provado que não houve equidade entre os candidatos das prévias e o MPE ajuizará uma ação contra Doria.

Segundo Aníbal tem dito a seus interlocutores, isso deve ocorrer quando a candidatura de Doria estiver registrada na Justiça Eleitoral, ou seja, após a Convenção do partido agendada para o domingo, dia 24.

As consequências dessa ação, segundo José Aníbal, seriam a cassação da candidatura de Doria – se for eleito, do seu diploma de prefeito, além da inelegibilidade pelo período de oito anos.

Esse risco que Doria corre não é apenas resultado da insatisfação de dois partidários do PSDB e sim de uma resistência tucana à sua candidatura.

Outros membros de peso do PSDB, como Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Aloysio Nunes, não apoiaram o publicitário nas prévias. Não bastasse, a Juventude PSDB se recusa a integrar a campanha – alguns membros inclusive já decidiram que vão apoiar Andrea Matarazzo (PSD).

Matarazzo deixou o PSDB após 25 anos, inconformado com as irregularidades cometidas por Doria e com as manobras do governador Geraldo Alckmin (PSDB) para levá-lo adiante.

Segundo pesquisa do Ibope, o ex-tucano aparece com 6% das intenções de voto, contra os 8% de Doria.

A Juventude organizou um ato, intitulado de “O PSDB que queremos”, comandado por José Aníbal e Aloysio Nunes, críticos da candidatura de Doria e principalmente da conduta do governador.

Alckmin e Doria contra-atacaram utilizando um “testa de ferro” – foi ao diretório municipal do partido solicitar a expulsão de membros da Executiva favoráveis a Matarazzo.

Em nota, no seu 2º Congresso Nacional, neste fim de semana, a Juventude criticou o partido, numa clara alusão ao governador, afirmando que “as circunstâncias podem seduzir os tucanos a trilharem o caminho mais fácil, isto é, o caminho dos tradicionais partidos da nossa velha política: fisiológico nos projetos, despolitizado na ideologia e autoritário no método”.

Preocupado com a crise, e entendendo que o sucesso da candidatura Doria é o pontapé inicial no seu objetivo de conquistar a presidência da República em 2018, Alckmin já pensa em alternativas para minimizar os “efeitos” da representação de José Aníbal e Goldman.

Uma delas é lançar uma candidatura pró-forma para concorrer com Doria na Convenção do dia 24.

A idéia se sustenta na tese de que, sendo a prévia mero instrumento de consulta interna, e havendo disputa na Convenção, estariam nulos  os atos praticados por Doria na disputa com o deputado federal Ricardo Tripoli e com o vereador Andrea Matarazzo.

Um dos principais especialistas em direito eleitoral do país, o advogado Alberto Rollo entende que a iniciativa é correta.

“Para efeito legal, o que vale é a Convenção partidária”, diz ele. “Não há como anular uma Convenção que teve disputa entre dois representantes. Previas são canais de consulta, onde se mede a tendência dos filiados em relação ao que será definido na Convenção. Esta é soberana”.

Seja como for, o fato é que o PSDB chega dividido às vésperas da escolha do seu candidato na eleição da principal cidade do país.

De um lado, Geraldo e o seu sonho alicerçado em vôo solo e no discurso dos 3 esses: suor, saliva e sola de sapato.

De outro, FHC, Serra & cia mal acostumados: como têm preguiça de fazer política pra valer, indo às ruas no corpo a corpo com a base, contaram com a imprensa amiga para disseminar a tese de que o ideal para o partido seria Andrea Matarazzo.

Como não funcionou, recorrem à Justiça para tentar levar no tapetão.

Qualquer semelhança com o “papelão” golpista que estão protagonizando no plano nacional, contra a presidente Dilma, não é mera coincidência.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here