A seleção tinha que ser Ronaldinho e mais dez

Ele é o último grande craque brasileiro.

Sabe tudo
Sabe tudo

Ladies & Gentlemen.

Minha função no Diário me obriga a acompanhar de perto, ainda que a 10 000 km de distância, o futebol brasileiro. Comprei a Champions League de vocês, a Libertadores.

E, ontem, ao assistir Atlético-MG x Arsenal-ARG, um jogador me impressionou por vários motivos. Pela familiaridade com a bola, pela facilidade em colocar seus companheiros em situações de gol – pelo talento excepcional, enfim. Ronaldinho Gaúcho.

Não consigo entender como ele não é titular da seleção brasileira. Pude perceber, nos últimos amistosos do Brasil, que vocês não têm tantos craques assim para poder desperdiçar alguém como Ronaldinho Gaúcho. Até minha mulher Chrissie, que discorda de mim em tudo, concorda nisso.

Vocês parecem extremamente tolerantes com alguns jogadores. Neymar, por exemplo. Por mais que ele suma nas partidas em que deveria aparecer, é um semideus. E implicam absurdamente com outros, como Ronaldinho Gaúcho.

Se alguém que não conhecesse um único jogador brasileiro visse a partida de ontem, diria: o Brasil tem um grande craque, um artista que faz malabarismo e ao mesmo tempo é eficiente. Aquele rapaz do meio de campo do Atlético Mineiro.

Caso estivéssemos em 1970, admitiria a hipótese de um jogador daquele porte técnico ficar de fora. Mas estamos em 2013. Os meias brasileiros que vi nos amistosos não dão, somados, um Ronaldinho Gaúcho.

O técnico não vê isso? Os comentaristas não vêem isso? A torcida não vê isso? Então o problema de vocês está no técnico, nos comentaristas e, lamento informar, em vocês da torcida.

Quanto a mim, vou tentar assistir ao máximo de jogos de quem julgo ser o último grande craque brasileiro.

All the best.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=8KC1F-v_HSk]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here