A justa quase-maldição da vaia ao hino

451371134_8-594x400

Eu torci muito pro Brasil. De joelhos, que é a máxima forma de torcer para mim. Mas em alguns momentos (pênaltis perdidos, bola na trave), achei que uma eliminação poderia ser o resultado mais justo para aquelas pessoas que vaiaram o hino do Chile.

Não era o resultado que eu desejava. Não era justo com os jogadores, com o técnico, com todos os torcedores que não participaram daquele patético comportamento de massa. Mas era justo para eles.

Algumas pessoas no Facebook tentaram defender ou relativizar. Não é verdade que foi só no fim, durante o “acapella”. Houve um ensaio de vaias já no começo do hino. Mas ainda que fosse. Raios, só nós podemos?

Essa edição que a Fifa faz nos hinos não é legal. Tudo bem que eles são longos e chatos, mas afinal alguém inventou de tocar o raio do hino antes dos jogos. Então que toque na íntegra.

Os cortes da Fifa me lembram aquelas edições que as rádios costumavam fazer nas músicas, sobretudo nos anos 90. Naquela época, as rádios eram tudo para o mercado fonográfico. Ou você aceitava a edição, ou não tocava. Até hoje as rádios vêm com a sua vinheta muitas vezes antes do fim das músicas.

Essas edições simplesmente matam toda a intenção artística. É como cortar um pedaço de uma pintura. E nos hinos não é diferente.

E nós gostamos de cantar até o fim. Na verdade, não até o fim – cantamos duas das quatro partes. E parece que os chilenos também. E daí?

Me parece que há uma confusão nessa história. Vaia é normal num jogo. Mas vaia-se o time adversário. Vaia-se, sei lá, a torcida adversária. Vaiar o hino é misturar as coisas.

Um hino é, junto com a bandeira, o maior símbolo pátrio. Vaiar um hino é uma agressão.

Não acredita? Faça o seguinte: ateie fogo numa bandeira da Colômbia na porta do estádio antes do próximo do Brasil e veja se você não será preso. O hino é a representação musical na bandeira. Nem para a bandeira se coloca a mão no coração (por mais ridículo que isso possa ser, mas essa não é a discussão).

Deveria ser, sempre, aplaudido. E depois que xingue-se todos os jogadores, as mães dos jogadores, a vó deles. O cachorro, sei lá. Isso é outra coisa.

É verdade que posteriormente os chilenos também nos vaiaram. Mas coloque-se no lugar deles. Você está cantando o seu hino e de repente vem uma agressão gratuita. Eu vaiaria de volta. É legítima defesa. Como diria meu avô, é reciprocidade.

Agora, claro que não é o fim do mundo. Nada é. A mordida do Suárez não foi, a cabeçada do Zidanne em 2006 também não. Agora, isso não impede que umas mães dêem uns tapas na bunda de seus filhos, ainda que eles tenham 20, 30, 40 anos.

Estão precisando.

Chile_Hino

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here