A Globo vai ter de segurar o rojão de sua cobertura criminalizando Marcelo Freixo

Freixo no ato em seu desagravo
Freixo dá entrevista à Globo em ato de desagravo

 

As maiores vítimas da campanha sistemática da Globo contra o deputado Marcelo Freixo e os “vândalos” são a verdade e, em seguida, ela própria.

Depois de basear sua cobertura nas declarações apressadas e confusas de Jonas Tadeu, advogado dos acusados de soltar o rojão que matou Santiago, o Globo publicou alguns editoriais que merecem entrar para qualquer antologia do jornalismo.

(Tadeu, é bom lembrar, defendeu o ex-deputado estadual Natalino José Guimarães, citado na CPI das Milícias presidida em 2008 por Freixo. Antes disso, fora condenado por dano moral em 2000. Já ameaçou desistir de trabalhar com Caio Souza e Fábio Raposo algumas vezes. Passa muito longe de ser a chamada fonte fidedigna).

Num primeiro editorial, ainda com o cadáver de Santiago quente, publicou-se o seguinte: “O crime jogou luz sobre a inaceitável atuação do gabinete do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) em defesa de vândalos”.

Mais tarde, diante da reação ao massacre insustentável de Freixo — inclusive por parte de um colunista do Globo, Caetano Veloso –, veio um mea culpa esquisito: “O que faz um jornal diante disso? Omite os fatos na presunção de que o deputado Marcelo Freixo é um homem acima do bem e do mal? Mas esses homens, infelizmente, não existem.”

Dizer uma platitude dessas é de lascar, mas, no caso de Freixo, ainda serve como uma desculpa esfarrapada para uma cotovelada. Afinal, Freixo, que se acha acima do bem e do mal, é só um político sacana como qualquer outro.

Mas o pior estava por vir: “O jornal não disse em momento algum que o deputado Marcelo Freixo era ligado ao homem do rojão, nem de forma alguma induziu seus leitores a acreditarem nessa versão. Seria absurdo e leviano, porque não há prova alguma sobre isso”.

Bem, então o que explica a manchete do dia 9 de fevereiro?: “Advogado: ativista diz que jovens envolvidos em lançamento de rojão que atingiu cinegrafista seriam ligados a Freixo”.

O PT do Rio divulgou nota oficial, se solidarizando com o PSOL e Freixo, “vítimas recentes da sanha da mídia empresarial” — embora muitos de seus militantes continuem achando que o deputado, de alguma maneira, merece apanhar.

Deveria ser caso para processo. Não será, provavelmente, porque não dará em nada. Brizola levou anos para ter um direito de resposta no Jornal Nacional. Agora, uma coisa é certa: a cobertura da Globo de seu próprio equívoco está servindo, novamente, para que ninguém tenha dúvida a respeito da repulsa que ela provoca e que se mostrou, de maneira clara, nas ruas. E esse ódio é culpa exclusivamente de suas práticas, expostas diariamente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here